• A diva e a política

      Não é que a ponta do iceberg da indigência de nossa politica essa semana tomou a forma de uma sobremesa? O incidente deixa claro a forma contumaz como a elite pernambucana e brasileira em geral não aceita a crítica. A suspensão do direito à voz é a suspensão do exercício da política, do desentendimento […]

  • Segurança não é crime | Security is not a crime

    Mensagem enviada pelo RISEUP   https://help.riseup.net/pt/security-not-a-crime Na terça-feira, 16 de dezembro, uma grande operação policial ocorreu no Estado Espanhol. Catorze casas e centros sociais foram invadidos em  Barcelona, Sabadell, Manresa e Madrid. Livros, panfletos e computadores  foram apreendidos e onze pessoas foram presas e enviadas para a  Audiência Nacional, uma corte especial que cuida das […]

  • Executivo integrante de Consórcio Novo Recife é preso #OcupeEstelita

    Hoje, Ildefonso Colares Filho, diretor-presidente da Queiroz Galvão, uma das empresas integrantes do Consórcio Novo Recife foi preso durante a sétima fase da Operação Lava Jato. A operação investiga um suposto esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões, segundo a Polícia Federal. Um total de 18 pessoas foram detidas e 300 […]

  • A desavergonhada mistura entre público e privado na cidade do Recife #OcupeEstelita

    A tênue linha que bem ou mal separava a administração pública do interesse privado deu mais uma vez sinal de ter se rompido essa semana na cidade do Recife. Nas horas que antecediam a audiência ilegal convocada pela prefeitura para apresentação do redesenho do Projeto Novo Recife eram funcionários da Moura Dubeux que faziam o […]

  • Duas ou três coisas que você deveria saber sobre o #OcupeEstelita

    Não é verdade que o Movimento #OcupeEstelita pretenda deixar o cais de mesmo nome abandonado. Também não é verdade que já não existam projeto para os 100 hectares localizados no centro-sul da cidade do Recife. A vocação da área é de habitação, sim, que precisa respeitar o patrimônio arquitetônico e ambiental do entorno. É assim […]

  • O público, o privado e o comum na cidade do #Recife

    De hoje até a próxima quarta-feira acontece na sede Derby da Fundação Joaquim Nabuco o Seminário Urbanismo, mídia e mobilização popular: pensando o Recife a partir do #OcupeEstelita. Para quem ainda não compreendeu as mobilizações populares recentes em torno do Cais José Estelita é uma boa oportunidade. Mas é sobretudo uma boa ocasião para ouvir […]

Aulão no CAC da UFPE discute Ocupação do Cais José Estelita #ocupeestelita

AULÃO3 AULÃO4

 

O primeiro aulão da Universidade Federal de Pernambuco para discutir aspectos da ocupação do Cais José Estelita foi um sucesso. Cerca de trezentas pessoas, entre estudantes, funcionários e professores da UFPE pararam entre as 16h e as 19h no hall de entrada do Centro de Artes e Comunicação para ouvir análises de urbanistas e arquitetos sobre o Projeto Novo Recife; também foi a oportunidade para que alguns acampados – a maior parte estudantes da instituição – compartilhassem suas experiências. A ocasião ainda serviu para a projeção de imagens gravadas durante o ataque do Batalhão de Choque que removeu os acampados do pátio interno do Cais, no dia 17 de Junho.

O aulão foi uma oportunidade para esclarecer diversos aspectos dos impactos causados pela iniciativa do Consórcio Novo Recife, bem como articular interessados em contribuir com o movimento. Ao longo das diversas manifestações dos pesquisadores ao menos duas chamaram mais a atenção. A professora Lúcia Vaz, do departamento de arquitetura, apresentou alguns resultados de sua tese de doutorado, recém-finalizada, sobre os ipactos causados à baisagem do Bairro de São José e de Santo Antônio. Segundo a professora, o Projeto Novo Recife é nocivo aos bairros do centro-sul por quatro aspectos principais.

“Em primeiro lugar o desrespeito e a agressão arquitetônica com o sitio histórico. Infelizmewnte o Plano DIretor da cidade permite que se vertizalize naquela área, que possui o maior acervo barroco da cidade. Além disso é a região da capital que possui maior acervo arquitetônico do início da cidade”, afirma.

AULÃO1 AULÃO2
Um segundo aspecto levantado pela pesquisadora é a escala urbana que o Projeto Novo Recife impõe. “O gabarito (altura dos prédios) é indecente do ponto de vista da arquitetura, da forma, da visibildiade, da morfologia, do conforto térmico e da ética”, explica. Um terceiro aspecto problemático, segundo a professora é o uso e a apropriação pública do espaço urbano. “Não há uso misto previsto realmente no Projeto Novo Recife. Uso isto é o que encontramos no Bairro de São José, onde você encontra habitações, comércio, bancos, escola. O uso misto ou o que o Consórcio nomeia como tal é formado por hotéis fechados, não existe salvaguarda pública do espaço. Qualquer pessoa pode até se enganar com a quantidade de área verde disponível, mas toda ela é cercada, servindo assim mais ao edulcoramento das habitações privadas previstas no Projeto original”.

A professora ainda salientou que o Projeto Novo Recife não leva em consideração as conexões com a malha urbana. “Para entender isso é fácil. Quando visitamos a casa de alguém nós devemos respeitar essa casa. O que nós temos aqui é uma casa com quatro séculos com aspectos pedculiares de sociabilidade, habitação e mobilidade que não estão sendo respeitados pelo Consórcio.

Já o professor Tomás Lapa questionou o processo de esvaziamento das instâncias de planejamento da prefeitura. Segundo ele, esse é um projeto que se verifica nos últimos 10 anos e que na atual gestão se consolidou. “Como é possível que projetos dessa natureza (Novo Recife) não sejam trataod por uma Secretaria de Planejamento, mas por uma Secretaria de Mobilidade? É a maior expressão da falta de planejamento pública, que passa a ser tocada pela inciativa privada, afirmou.

Sobre esse quesito, o professor foi mais longe:

“Se antes a estratégia do capital imobiliário era de promover uma ocupação num ritmo acelerado, lote por lote, as operações passam a ser agora mega-operações. Eles não se contentam mais com o lote a lote que a legislação antes favorecia. Eles agora querem trabalhar com as glebas remanescentes. As glebas que restaram do território urbano: o quadrilátero do bairro de Santo Amaro, a vila Naval em Olinda, a arena do Sport, a Ilha do Zeca. São áreas vizadas pelo capital imobiliário que atualmente são objetos de mega-operações”, afirmou.

#ocupeestelita: democracia em cheque na cidade do Recife

(escrevi esse artigo há duas semanas para a Carta Maior, por isso está um pouco desatualizado)

Mídia Ninja

Mídia Ninja

Em 2014 a cidade do Recife está expondo de maneira tão virtuosa quanto inesperada o escândalo da separação entre desenvolvimento capitalista e democracia. O front que explicita essa dissociação – marca da história brasileira em geral e a da capital pernambucana em particular –, é a destinação de uma área de 10 hectares (o Cais José Estelita, na bacia do Pina, no centro da cidade), para ser usado em um empreendimento imobiliário orçado em R$ 800 milhões e que prevê a construção de 12 torres com até 40 andares. O Projeto Novo Recife, tocado pelo Consórcio Novo Recife (formado pelas construtoras Moura Dubeux, Queiroz Galvão, G.L. Empreendimentos e Ara Empreendimentos), é objeto de cinco ações judiciais que questionam sua legalidade. Mas o debate no momento já está para além da questão urbana e da saúde futura da cidade. Esse front expôs o círculo vicioso da velha política em Pernambuco: o uso da violência institucionalizada na defesa de interesses privados e de fins políticos particularistas, sem receio de se identificar com formas autocráticas de autoprivilégio em detrimento do interesse público.

Continue reading…

Até quando deixaremos o Estado gerir as escolas públicas?

Tod@s falam – mídia, políticos, profissionais da educação, economistas, etc. – à exaustão da importância da educação para o “desenvolvimento” do país. Outro dia ouvi, numa cerjevada, um amigo estranhar a palavra: ele a partiu: des / envolver: coibir qualquer possibilidade de envolvimento. Gostei. E pensei automaticamente que o menos importante seria saber se a partição do significante era etimologicamente correta. Para mim ela é politicamente produtiva – bem diferente de politicamente “correta” (mas isto discutiremos em outra oportunidade). Tod@s também falam, como um clichê que dói, pelo menos aos meus ouvidos, da importância de formarmos “cidadãos críticos”. O fato é que, críticos ou não; proativos ou talhados para a repetição, dóceis ou inquietos; com competências básicas ou sem competências básicas, a escola tem historicamente funcionado como uma fábrica de produção sob medida de trabalhadores e eleitores. A invenção da fábrica moderna formalizou a economia, racionalizou seus procedimentos técnicos, direcionando nossos afetos e valores para a maximização do lucro para o capital. O liberalismo inventou, pari passu com o processo de desterritorialização fabril, indivíduos formalmente iguais, sem pertencimento local, trabalhadores-eleitores com discernimento “próprio”, cujas consciências teriam que ser formadas num projeto nacional de nação.
É nesse contexto, sob o signo da superioridade hierárquica da ciência e da noção laboratorial de experiência, que os sistemas nacionais de ensino na Europa se consolidam na segunda metade do século XVIII. A escola, como defendia John Dewey – principal referência mundial do escolanovismo em nível mundial (mestre e inspirador de Anísio Teixeira) –, deveria conduzir a experiência dos estudantes de maneira a consolidar um projeto moderno de democracia liberal. A funcionalidade entre educação e capital é mais que flagrante. Economia capitalista; escola capitalista. Ponto? Movimentos sociais e partidos (participantes ou não do sistema eleitoral) que têm o socialismo como horizonte político precisam se render a essa pretensamente fatal “função” da escola? Precisam esperar (ao pé de uma parede sem porta, para usar uma imagem de Fernando Pessoa), sob a crença de um momento emancipador fundante, a destruição do regime capitalista, para praticar uma educação radicalmente contra-hegemônica? Que retome/invente maneiras alternativas de estar no mundo? Outras cosmovisões? Penso que não.

Continue reading…

Para se informar: coleção de posts sobre o #ocupeestelita

Começando agora uma juntada de posts que explicam, para quem ainda não vem acomoanhando o processo, a ocupação em andamento do Cais José Estelita.

Democracia viva: por que ocupar o Estelita?
Galpões destruídos só são sinônimos do atraso quando a sua destruição traduz um modo de pensar a cidade de maneira atomizada; como se fosse possível que cada construção, realizada isoladamente e com interesses distintos, pudesse, de forma espontânea, se harmonizar com o resto da cidade ou mesmo se harmonizarem entre si. O Recife é a demonstração de que isso não é possível. O caos no trânsito, a falta de saneamento, o entupimento das encanações e os esgotos que jorram a lama representam a falta de planejamento e de um crescimento absolutamente desordenado porque está entregue à iniciativa privada. Cada construção, uma estrutura autor-referente, uma muralha de concreto e um isolamento da cidade. Ilhas dentro das ilhas: mutilação. Mais.

Recife pra quem?
Na noite de ontem, a população do Recife foi surpreendida com a notícia, nas redes sociais, da demolição dos armazéns do Cais José Estelita, no centro da cidade. Esta área, de mais de 100 mil m², pertencia à Rede Ferroviária Federal e foi arrematada à União por um grupo de empresas em leilão realizado em 2008. O consórcio formado por Moura Dubeux, Queiroz Galvão e GL Empreendimentos pretende implementar um megaprojeto imobiliário na área, o chamado projeto Novo Recife, que prevê a construção de torres residenciais e comerciais, totalizando 14 prédios com cerca de 40 andares. Mais.

#OcupeEstelita, #ResisteEstelita: a (re)significação constante do Direitos Urbanos (e do Cais)
O movimento de ocupação do Cais José Estelita é um sucesso. Num lugar antes desconhecido da grande maioria, um sonho se realiza ao menos em experimento: um imenso espaço perdido há anos no discurso do abandono, uma vastidão impensada, ganha, na prática dos ocupantes de simplesmente ocupar, o sentido que ele sempre poderia ter tido: o de ser o espaço de confluência de todos os cantos da cidade ao receber, acolher e misturar as pessoas. Um lugar que antes era apenas o atrás do muro e dos galpões, o espaço abandonado, de ninguém, passa ser um experimento simbólico, mas real e palpável, do seu potencial embutido, agora ainda esgaçado pela ameaça da ganância dos interesses privados tragicamente mancomunados com o poder público. Mais

Ciclotela do Coque
O Museu da Beira da Linha do Coque foi criado pelos membros da comunidade para o acolhimento e ativação da história oral do bairro do Coque, em Recife (PE). O coração do acervo é o cadastro dos Contadores e Contadoras de Histórias do Coque e a coleção de seus depoimentos em vídeo. Nosso museu é, desde sua concepção, itinerante. Ele quer estar vivo, na rua. Para dar suporte a sua mobilidade dentro e fora do bairro, sonhamos começar com uma estrutura de fácil condução que acoplasse um sistema de projeção de imagem e som. Assim surgiu a Ciclotela do Coque, um triciclo adaptado que exibirá a história da nossa comunidade. Os 16 primeiros Contadores e Contadoras de Histórias do Coque entrevistados por Rildo Fernandes e a equipe do Museu. Mais.

Invento o cais
O cais José Estelita é um nome quase estranho pra mim. A paisagem, não. O cais era inevitável no caminho da praia, quando ainda não havia tubarões e a gente passava uma manhã inteira de sábado entrando e saindo da água. Na volta pra casa, era lá pelo cais que começava a disputa da família pela ocupação do banheiro, pois urgia tirar aquele sal do corpo (naquele tempo havia mais sal no mar). O cais era feio, abandonado até, mas era. Mais.

Neste domingo, no #ocupeestelita, exposição Invisibilidades da Copa em Pernambuco
Neste domingo, quem for ao Cais José Estelita terá a oportunidade de acompanhar uma mini-exposição com 28 imagens dos fotógrafos Anderson Freire e João Velozo e do jornalista Eduardo Amorim, que abordam o drama dos removidos para as obras da Copa do Mundo na Região Metropolitana do Recife. Mais.

A cidade tem afetos e pertencimentos
Há uma busca pela acumulação de grana que desfaz a história e inquieta. Não há transparência e existem articulações frequentes de projetos individualistas com o poder público. As promessas são muitas e almejam significar compromissos para construção do novo. A velha questão da modernidade volta ao debate e as máscaras do progresso disfarçam discursos. A cidade sofre ataques constantes da especulação imobiliária que deixam desconfianças permanentes. Os investidores ganham , muitas vezes, com seus ares de seguidores de filantropias que mudarão o chamado atraso urbano. Mais. 

Oil paintings by Austrian/Jewish painter, Ludwig Deutsch, Leon Gerome & Rudolf Ernst in the late 1800s. The subject, “The Palace Guard” were depictions of North African medieval Muslims,THE MOORS, who settled in &ruled Northern Africa and invaded and conquered many parts of what we would now consider “Southern Europe (Spain, Portugal, France & Southern Italy-ala Sicily)” for nearly 800 years, from as early as the7th to the 15th century. Their profound, cultural legacy, influence& what they left behind( Such as the great monuments, the Alhambra and the Mezquita) is evident on modern day spanish architecture, art,music and traditions. All but ignored now largely by both Arab andEuropean world history.Pinrturas a óleo dos austríacos e judeus pintores Ludwig Deutsch, Leon Gerome & Rudolf Ernst no final dos anos 1800. O objeto, “O Guarda do Palácio” foram representações dos mulçumanos, os mouros, que instalaram-se e comandaram o norte da África e invadiram econquistaram muitas partes doque nos hoje conhecemos como o sul da Europa (Espanha, Portugal, França e sul da Itália – especialmente a Sicília) poraproximadamante 800 aos, dametade do século 7 até o sécilo XV. Seu profundo legado cultural,influência e que o que deixaram para trás (grandes monumentos, a Alhambra e mesquitas) é evidente na atual arquitetura espanhola, arte musica e tradições. Tudo entretanto ignorado largamente tanto pela história mundial Árabe quanto pela Européia.

Instagram filter used: Normal

Originalmente no Instagram ⇒

Sambada de côco oferece cursos profissionalizantes

O Centro Cultural Coco de Umbigada está com inscrições abertas até o dia 30 de maio, para os cursos profissionalizantes do Núcleo de Formação de Agentes Jovem da Cultura Negra os cursos são em diversas áreas, para mais informações acessar o link: http://sambadadecoco.wordpress.com/editais/

É de extrema importância que gestores públicos, organizações da sociedade civil, militantes das questões de juventude, cultura e diversidade étnica possam contribuir nessa divulgação.

O capitalismo é um objeto de alta abstração; o comum é uma força de abstração maior #commons #capitalism

Vou começar hoje a reproduzir um recente trabalho feito pela turma da Universidade Nômade: a tradução das Sete Teses sobre marxismo e aceleracionismo de Mateo Pasquinelli. A tradução foi feita por Aukai Leisner e todo o conjunto da obra pode ser encontrada aqui.

Tese 1. O capitalismo é um objeto de alta abstração; o comum é uma força de abstração maior.

A noção marxiana de trabalho abstrato identificou o mecanismo profundo do capitalismo, isto é, a transformação do trabalho em equivalente geral. Mais adiante, Sohn-Rethel (1978) enxergou a relação estreita entre a abstração da linguagem, a abstração do mercadoria e a abstração do dinheiro.

Na introdução dos Grundrisse, Marx (1867) explica a abstração como a metodologia que aparecerá dez anos mais tarde no Capital (1867). Em Marx, o concreto é um resultado, o produto do processo de abstração: a realidade capitalista e, especificamente, a realidade revolucionária, é uma invenção: “O concreto é concreto porque concentra muitas determinações, daí a unidade do diverso. Ele aparece no processo do pensamento, portanto, como um processo de concentração, como um resultado, não como ponto de partida, mesmo que seja o ponto de partida na realidade e, portanto, também o ponto de partida da observação e concepção”. (Marx 1857 : 101).

A abstração é ao mesmo tempo a tendência do capital e o método do marxismo. Então o marxismo autonomista tomou posse da abstração e “bordou-a de novo no macacão do operário”: a abstração como o movimento do capital, mas também como o movimento de resistência a ele. Negri (1979: 66) particularmente colocou a abstração no centro do método da tendência antagonista, como um processo de conhecimento coletivo: “o processo de determinação abstrata está dado inteiramente nessa iluminação proletária coletiva: é portanto um elemento de crítica e uma forma de luta”. A idéia do comum nasceu como um projeto epistêmico.